Escolha uma Página
Equipamentos necessários para praticar escotismo

Equipamentos necessários para praticar escotismo

Conheça mais sobre a prática do escotismo e os seus equipamentos essenciais

 

Antes de falarmos sobre os equipamentos necessários para praticar escotismo, vamos a um ponto importante. Você sabe o que é ser um escoteiro? O que ele faz?

A prática do escotismo tem como objetivo ser uma atividade educacional direcionada para crianças e jovens. Dessa forma, são vários os grupos de escoteiros espalhados Brasil afora, organizados por adultos e que buscam promover ações educativas e divertidas com esse público.

Além disso, ser um escoteiro envolve, ainda, o uso de uma roupa apropriada para a ocasião, o que ajuda a deixar todo o processo mais interessante! Com design que lembra as roupas utilizadas por militares, os escoteiros ficam mais confortáveis para enfrentar os desafios do dia a dia.

Os grupos costumam realizar acampamentos em matas, onde as crianças e jovens terão a oportunidade de aprender a se abrigar, se alimentar, entre muitas outras atividades que serão de grande importância no seu desenvolvimento!

Todos na mesma página? Então vamos falar agora sobre os equipamentos!

 

Arrumando a mala

 

É importante que a mala tenha o menor peso e volume possível. Além disso, todos os pertences devem ter indicação do nome da criança ou do adolescente.

Outra informação relevante é a de guardar os itens separadamente em sacos plásticos, tendo um cuidado especial com peças mais macias como as roupas e toalhas. Dessa forma, guarde os objetos mais duros na base da mochila!

E lembre-se: aqueles itens de maior uso precisam ter fácil acesso. Então deixe o material de higiene e utensílios de refeição na parte superior da mochila 😉

 

Vestuário

 

Além do uniforme, durante a preparação para a viagem, a criança ou adolescente deve separar itens que atendam a todos os dias da excursão, bem como as atividades que serão realizadas.

Com isso, peças como camisetas, roupas íntimas, calça, shorts, roupa de banho, meias, capa de chuva, pelo menos um agasalho para o frio, tênis e chinelo, não podem faltar!

Como a rotina pode envolver muita sujeira, com pó e lama, por exemplo, o ideal seria levar roupas e calçados mais velhos, para que seja possível aproveitar ao máximo a experiência!

 

Higiene

 

Se o acampamento vai durar um ou três dias, independe. O que é essencial é estar preparado com os itens mínimos de higiene, como sabonete, shampoo, condicionador, desodorante, escova e pasta de dente, além de absorvente (se necessário). Não se esqueça de incluir, também, uma escova de cabelo ou pente!

Já pensando no sol e nos mosquitos e demais insetos que podem causar certo incômodo, acresça um protetor solar e um repelente na sua bagagem. Dessa forma, você terá muito mais tranquilidade durante a sua estadia.

 

Segurança

 

É nesse momento que a atenção aos detalhes fará a diferença! Durante a arrumação da sua mala, inclua lanterna com pilhas e lâmpadas reserva. Itens de primeiros socorros também são superimportantes.

E para deixar o kit ainda mais completo, lembre-se de levar um apito! Um item de tamanho compacto, porém com grande potencial para auxiliar em situações de emergência e/ou necessidade. Separou-se da equipe? Caiu em uma vala? Essas são apenas algumas das situações onde você pode contar com esse equipamento!

 

Para dormir

 

Depois de um dia puxado, nada melhor do que tirar um cochilo, não é mesmo? Assim, como escoteiro, deve-se lembrar de embalar um saco de dormir, e em alguns casos uma barraca, bem como um isolante térmico que será utilizado para forrar o chão.

Com isso, a criança ou adolescente não passará tanto frio durante a noite e poderá recarregar as baterias para se divertir e aproveitar muito o dia seguinte!

 

Itens proibidos

 

Visando garantir a segurança de todos, alguns itens costumam ser proibidos de levar durante a viagem. Produtos cortantes como vidro e louças, por exemplo, não podem ser transportados.

Além disso, junk food, como balas e salgadinhos, não devem ser transportados, pois desregulam a alimentação e podem trazer formigas para a barraca montada; e equipamentos tecnológicas que possam levar a distração do participante, como mini-games, rádios, entre muitas outras opções.

E aí, ficou interessado? Então não deixe de contar com a Apitos Rocket, referência na fabricação e comercialização de apitos de qualidade, e que pode te ajudar na hora de compor os equipamentos para uma prática de escotismo mais segura e completa. Oferecendo os melhores apitos, procuramos sempre ajudar os nossos clientes encontrando a melhor opção para cada necessidade. Entre em contato conosco para solicitar um orçamento e aproveite para conhecer todos os produtos com a qualidade Rocket!

Quais são os equipamentos utilizados por um árbitro durante partidas de futebol?

Quais são os equipamentos utilizados por um árbitro durante partidas de futebol?

Saiba mais sobre os itens que auxiliam o árbitro a controlar o jogo

 

Assim como as avenidas com grande volume de tráfego de carros precisam de guardas para garantir a ordem e, principalmente, que os motoristas estejam cumprindo com as regras e leis de trânsito, os esportes também precisam de um profissional que vá desempenhar esse papel: o árbitro!

Seja durante um jogo de futebol, vôlei, handball ou outro esporte de quadra, a presença de uma pessoa voltada exclusivamente para acompanhar o bom andamento da partida é essencial. É ele quem vai fiscalizar cada movimento dos jogadores e se eles estão seguindo as regras do jogo!

Assim, que tal conhecer um pouco mais sobre os itens que o árbitro utiliza durante uma partida?

 

Contexto histórico

 

Há muito tempo atrás, o gerenciamento de um jogo de futebol era feito por dois juízes, porém, com o passar dos anos e por causa da evolução desse esporte, por volta de 1881, a Associação de Futebol inglesa anunciou um profissional que ficaria fora do campo e seria o responsável por decidir casos em que houvesse uma disputa entre os dois juízes.

Essa pessoa ainda deveria registrar a partida, marcar o tempo e advertir os jogadores que cometessem atos tidos como pouco corteses. E quem seria esse profissional? O árbitro! A partir de 1891 ele passou a ocupar um lugar de destaque dentro dos campos, pois a estrutura com os dois juízes foi descontinuada. Com isso, o árbitro ganhou dois auxiliares para ajuda-lo durante os jogos.

Para entrar em campo, além da sua própria equipe, o árbitro precisa levar alguns itens, como relógios, bloco de anotações, lápis, apito e, principalmente, a bola.

 

Apito

 

Começando por um dos itens mais conhecidos utilizados pelos árbitros, ele já existia antes mesmo do futebol, tendo sido inspirado nos que eram utilizados pelos policiais. Esse modelo não contava com uma bolinha para auxiliar na emissão do som e costumava ser fabricado em latão.

Porém, com o passar dos anos, esse modelo se transformou e começou a ser desenvolvido com uma bolinha em sua cavidade, de forma que pudesse oferecer um som mais alto e vibrante.

Hoje, os apitos utilizados por um árbitro durante as partidas de futebol se modificaram mais uma vez, sendo geralmente feitos em plástico, inclusive com câmaras internas e alguns modelos sem a bolinha. Grande parte dos árbitros utilizam um dedal para prender o apito aos dedos e poder ficar com a mão livre para fazer anotações nos cartões ou blocos de notas.

 

Cartões

 

Não, não estamos falando de cartões de crédito! Mas sim, sobre os de advertência!

Na Copa do Mundo de 1966, um impasse presenciado durante uma partida entre Argentina e Inglaterra, mediada por um árbitro alemão, reforçou a necessidade de resolver a comunicação durante as partidas. No caso, em momentos de infração, a utilização de um canal claro e que fosse de fácil entendimento independentemente da nacionalidade do jogador.

A solução foi encontrada pelo chefe dos árbitros, o inglês Keen Aston, durante uma viagem de carro. O insight veio a partir de um semáforo de trânsito, onde passou a analisar que o motorista reduziria a velocidade quando o sinal ficava amarelo e parar o veículo quando ele ficava vermelho. Curioso não?

Assim, o cartão amarelo passou a ser utilizado em casos de advertência e o vermelho em momentos envolvendo a expulsão de um jogador. Hoje em dia esses cartões são produzidos em material plástico, a prova de adversidades, com revestimento em tintas brilhantes ou material refletor, para permitir uma boa visualização de todas as partes envolvidas numa partida.

 

Tempo

 

Uma partida de futebol costuma ter uma duração média de 90 minutos distribuídos em dois tempos de 45 que podem, ou não, ter uma prorrogação. Porém, independente disso, é essencial que o árbitro possa fazer o controle e a gestão desse tempo de forma que as partes não sejam prejudicadas.

Dessa forma, ele deve estar equipado de um relógio que vai permitir o desempenho dessa função. Hoje há uma variedade de modelos que podem envolver desde os mais simples e focados no controle do tempo, somente, até aqueles onde em um único aparelho o árbitro pode ser notificado sobre um gol ou possíveis infrações cometidas.

 

Bloco para anotações

 

Esse é um dos outros itens que o árbitro deve ter a disposição durante uma partida. Ele vai permitir que sejam registradas as ocorrências do jogo, criando um histórico de tudo o que aconteceu, interrupções, cartões emitidos, entre outros detalhes que julgar importante.

Atualmente existem discussões sobre o investimento em um “bloco” mais moderno, ou seja, com menos uso de papel e mais uso de tecnologia, que poderia se concretizar na utilização de um pequeno computador.

 

Comunicação entre árbitro e auxiliares

 

Essa comunicação demorou um pouco para ser aprovada pela FIFA, mas, desde a sua aprovação, esse relacionamento se tornou mais assertivo e engrenado, uma vez que permite maior rapidez e agilidade nas trocas entre o árbitro e seus auxiliares, localizados nas laterais do campo.

Entre os equipamentos utilizados estão as bandeiras eletrônicas, que sinalizam quando há um impedimento ou escanteio, por exemplo, além dos rádios que cada um deles possui para uma conversa sobre lances que geraram dúvidas, tomar decisões sobre algum jogador, entre outras possibilidades.

E aí, agora já está sabendo tudo para ser o árbitro no próximo jogo promovido por sua empresa, escola ou amigo? Então não deixe de contar com a Apitos Rocket, referência na fabricação e comercialização de apitos de qualidade, e que pode te ajudar na hora de compor os equipamentos para o gerenciamento das partidas. Oferecendo os melhores apitos, procuramos sempre ajudar os nossos clientes encontrando a melhor opção para cada necessidade. Entre em contato conosco para solicitar um orçamento e aproveite para conhecer todos os produtos com a qualidade Rocket!

 

Como organizar um campeonato de futsal para alunos durante aula de educação física

Como organizar um campeonato de futsal para alunos durante aula de educação física

Saiba mais sobre a estrutura, participantes e instrumentos utilizados para se realizar um campeonato

 

Investir em práticas esportivas na escola gera inúmeros benefícios para os alunos. De questões relativas à saúde, por conta da prática de esportes, até uma melhoria na socialização entre os estudantes, considerando as atividades em grupo e realização de algum campeonato. Além disso, contribui positivamente com a prevenção de problemas sociais, auxiliando crianças que estão em vulnerabilidade social e que, em muitos casos, são privadas de oportunidades por não saberem trabalhar em equipe e/ou se relacionarem com outras pessoas.

Entre tais atividades oferecidas por escolas e instituições de ensino estão aulas de dança, judô, basquete, vôlei, handball, futsal, entre muitas outras possibilidades que demandam empenho e dedicação por parte das crianças, jovens interessados e, principalmente, do professor ou educador físico que está desenvolvendo a atividade!

Nesse post você aprenderá um pouco sobre como organizar um campeonato de futsal e qual material é necessário para realizar esse feito!

 

Objetivos

 

Como organizador de um campeonato esportivo, é muito importante estabelecer os objetivos que se espera alcançar com o desenvolvimento da atividade em questão.

Para isso o projeto pode envolver o compartilhamento de conceitos sobre o futsal; procedimentos, com os alunos auxiliando na organização da competição; e atitude, onde serão partilhados a importância do trabalho em equipe e cooperação.

 

Preparação

 

Deve-se escolher qual a modalidade de disputa que será adotada, como torneio ou campeonato. A partir dessas possibilidades, com a modalidade de campeonato definida, é importante ter em mente que o cronograma envolve um tempo maior de desenvolvimento e a escolha do sistema que será utilizado deve ser o de rodízio ou misto.

Além disso, deve-se identificar a idade e experiência dos jogadores, para ajudar no direcionamento da preparação, treinamento e construção das equipes.

O professor / educador físico deve estabelecer ainda uma tabela e o regulamento que vão direcionar os jogos, bem como a atuação do árbitro. Este, tem um papel importante na realização dos jogos, tendo em mente que cuidará para que atividade seja conduzida da melhor e mais segura maneira. Para isso, precisará utilizar equipamentos como cartões e um apito. Por fim, mas não menos importante, definir como acontecerá a premiação dos vencedores do campeonato!

 

Rotina de treinos

 

É importante montar uma rotina adequada ao perfil e habilidades dos estudantes que se inscreveram para participar do campeonato. Definir um objetivo e identificar os fundamentos que precisarão ser aprimorados, como posse de bola, finalização e marcação.

Para ajudar a nortear essa atividade, o professor / educador físico responsável pode seguir, não obrigatoriamente, alguns estágios como: desenvolvimento técnico para situações simples; aspectos táticos individuais; aspectos conceituais e de tomada de decisão; e aprimoramento do modelo de jogo.

 

Motivação é essencial

 

Não adianta somente preparar uma agenda de treinos estruturados, entendendo que isso será suficiente para que os jogadores se sintam engajados e motivados a melhorar o seu desempenho a cada treino e assim atingirem o alto desempenho.

Nesse momento, é essencial lembrar que os alunos são seres humanos, com dias ruins, defeitos e problemas que podem impactar direta ou indiretamente no seu crescimento em quadra. Por isso, busque compreender se alguém da sua equipe está passando por uma dessas situações, busque ouvi-los e dê o suporte que for possível.

Isso com certeza irá ajudá-los a se sentirem mais confortáveis e comprometidos!

 

Árbitro

 

Um profissional muito importante durante a partida de inúmeras modalidades esportivas. O árbitro deve ser capaz de compreender a partida em todos os âmbitos, do jogador, técnico, torcida, a fim de exercer a sua liderança de maneira mais assertiva.

Para que não se acostume somente a um tipo de arbitragem, esse profissional deve participar de vários tipos de competições, com diferentes equipes, com árbitros que atuam de formas variadas, para auxiliar na busca de melhores práticas.

Conhecido por usar equipamentos como apito, cartões de penalidades, cronômetro, entre outros, os dois árbitros de uma partida de futsal, responsáveis por cumprir as regras do jogo, devem estar atentos a todos os lances e marcarem corretamente as infrações!

 

Apito

 

O apito desempenha um papel muito importante na comunicação realizada em campo ou em quadra entre os jogadores e o árbitro. Com um sopro o árbitro pode indicar o início e o fim do jogo, identificar se a bola saiu e o jogo deve começar de onde houve a jogada, parar ou continuar o jogo em decorrência de uma falta, escanteio, cobrança de uma penalidade, entre muitas outras funções!

Esse pequeno instrumento contribui no estabelecimento da ordem no jogo, que pode ser complementada por uma linguagem não verbal, ou seja, gestos, quando os jogadores não falam a mesma língua do juiz, por exemplo.

Vai montar um campeonato de futsal? Conte com a Apitos Rocket, referência na fabricação e comercialização de apitos de qualidade, e que pode te ajudar na hora de compor os equipamentos para o gerenciamento das partidas. Oferecendo os melhores apitos, procuramos sempre ajudar os nossos clientes encontrando a melhor opção para cada necessidade. Entre em contato conosco para solicitar um orçamento e aproveite para conhecer todos os produtos com a qualidade Rocket!

O que é o programa vizinhança solidária?

O que é o programa vizinhança solidária?

Saiba mais sobre o programa vizinhança solidária promovido pela Polícia Militar do Estado de São Paulo

 

Não é de hoje a preocupação do ser humano com a sua segurança e de seus familiares, não é mesmo? Pensando nisso, porque não se aproximar dos seus vizinhos de rua e, juntos, buscarem maior integração e zelo pela segurança de todos? Essa é justamente a proposta do programa Vizinhança Solidária!

Criado em 2009 pela Polícia Militar, o programa teve seu início após um grupo de síndicos de condomínios na região do Itaim Bibi tê-los procurado. O principal objetivo do programa é o de fomentar reuniões constantes entre os vizinhos, com a participação de representantes da polícia, a fim de discutir ações voltadas para a segurança da comunidade.

Desde a sua fundação o programa se expandiu e hoje já é aplicado em diferentes localidades. E para que seja passível de acontecer, o programa Vizinhança Solidária quer resgatar a integração e entrosamento entre os moradores de uma mesma rua, que em decorrência das rotinas cada vez mais frenéticas, veio se perdendo ao longo dos últimos anos.

Esse vínculo solidário atuaria como um mecanismo que contribuiria com o policiamento preventivo, redução da criminalidade local, bem como a busca por soluções adequadas aos demais problemas relativos ao tema da segurança dos moradores.

 

Conexões

 

A retomada e estimulo de um relacionamento mais próximo entre moradores de uma mesma vizinhança contribui para uma quebra de barreiras entre as residências e eleva-se o sentimento de pertencimento aquela região em si.

Compreender que estar atento a segurança dos moradores que residem próximo a você, significa estar antenado à segurança dos seus próprios familiares. Enxergar a residência do outro como uma extensão da sua, como uma teia de conexões que compõe a rua, ajudam a potencializar esse tipo de relacionamento e a confiança de uns nos outros.

Quebrar o gelo tende a estimular cada vez mais a participação de todos dentro da comunidade, além de um olhar mais cuidadoso no que se refere ao monitoramento local, gerando ainda uma rede de informações ricas que atravessa fronteiras e pode englobar outros pontos a melhorar existentes na rua e/ou no bairro.

 

Prevenção primária

 

Investir na prevenção primária é apontado pela própria Polícia Militar como o degrau inicial no combate ao crime. No caso, o morador de dada localidade sente e acompanha diariamente causas e efeitos do crime, o que acaba se tornando uma ferramenta para auxiliar na orientação e direcionamento das ações desempenhadas pela polícia.

Dessa forma, a participação e engajamento dos moradores em um programa como a vizinhança solidária vai ajudar no resgate da sensação de segurança na região onde você mora. Por isso, considere e analise a viabilidade de instaurar o programa por onde vive e, caso o programa já exista na sua região, não deixe de participar!

 

Ferramentas

 

Além das ferramentas utilizadas pela PM, como reuniões com a comunidade, aproximação das lideranças comunitárias e monitoramento dos indicadores criminais na região, os próprios moradores podem e devem organizar a troca de informações, bem como sinais para identificar que está tudo bem ou se há situações de problema.

No caso, investir em sinais ou códigos que possam complementar uma comunicação já feita via grupos de Whatsapp, por exemplo. E é nesse momento que o apito ganha papel de destaque. Um acessório barato e acessível que pode ser de grande importância em momentos de normalidade, apitando duas vezes para indicar esse status, por exemplo, ou um apito mais constante que vai remontar a uma situação de emergência em uma residência vizinha.

Pequenas ações que junto a meios como o apito, podem tornar o processo ainda mais efetivo e eficiente!

 

Na prática

 

A implantação do programa é voluntária e pode acontecer em ruas não somente de um bairro, mas de uma região. Além disso, ele pode acontecer com a identificação de um comércio local que tenha obtido o Certificado de Análise de Risco e de Vulnerabilidade.

Ainda, como já mencionamos, o uso de tecnologias como o Whatsapp, bem como de ferramentas como um apito, são meio simples, para atingir um fim relevante e que trará benefícios à todos!

Ficou interessado? A Apitos Rocket, referência na fabricação e comercialização de apitos de qualidade, pode te ajudar na hora de equipar os moradores da sua vizinhança! Oferecendo os melhores apitos, procuramos sempre ajudar os nossos clientes encontrando a melhor opção para cada necessidade. Entre em contato conosco para solicitar um orçamento e aproveite para conhecer todos os produtos com a qualidade Rocket!

O que é EPI (Equipamento de proteção individual)?

O que é EPI (Equipamento de proteção individual)?

Entenda a importância que o EPI tem na execução do seu trabalho


Se você atua (ou pretende atuar) na área de segurança, opera alguma máquina ou é guarda de trânsito, é muito importante saber o que é um EPI (equipamento de proteção individual) e o papel que ele cumpre tem dentro da rotina de trabalho. Além de ser um item (ou mais) importante para a execução de determinada tarefa, o EPI tem papel importante na prevenção de acidentes de trabalho!


Como já citado no texto em que falamos sobre as diferentes funções do apito, esse item pode e é utilizado por guardas de trânsito, visando orientar e controlar o tráfego de automóveis; no transporte hidroviário, junto ao colete salva-vidas, a fim de indicar a sua localização caso esteja em alto-mar e o barco tenha naufragado; e, não menos importante, os seguranças utilizam o apito para minimizar os riscos do ambiente de trabalho, seja para alertar transeuntes sobre algum perigo ou para chamar socorro, se necessário.


Nesse contexto é válido mencionar que existe uma norma regulamentadora, voltada para tais equipamentos. A Norma Regulamentadora nº 06 (ou NR-06), do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), que define um EPI como “todo dispositivo ou produto, de uso individual utilizado pelo trabalhador, destinado à proteção de riscos suscetíveis de ameaçar a segurança e a saúde no trabalho”.


Como definir quais EPI usar?


A escolha dos equipamentos de proteção individual vai variar de acordo com o tipo de trabalho que será executado. Por isso, esteja atento as atividades que vai desempenhar, para separar os itens que sejam cruciais a elas! Esses equipamentos podem ser desde um apito para guardas de trânsito, como também operadores de máquinas que atuem em ambientes de risco e/ou com muita poluição sonora.


Nesse momento, o importante é entender quais serão os perigos envolvidos na rotina da pessoa que executará a atividade e, a partir deles, quais são as partes do corpo que vão necessitar de proteção. Confira abaixo alguns dos itens mais comuns que compõe os famosos EPI:

  • Para a cabeça: capacete;
  • Audição: protetores auriculares e tampões;
  • Parte respiratória: máscaras; aparelhos filtrantes;
  • Para face e proteção dos olhos: viseiras, máscaras e óculos;
  • Mãos e braços: luvas de variados materiais e tamanhos, visando a proteção contra riscos mecânicos, químicos, biológicos, térmicos ou elétricos;
  • Pés e pernas: sapatos, coturnos, botas, tênis, apropriados para os riscos contra os quais se quer proteger: mecânicos, químicos, elétricos e de queda;
  • Contra quedas: cinto de segurança, sistema anti-queda, arnês, cinturão, mosquetão; e
  • Tronco: avental;

Como saber se o equipamento é seguro?


É muito importante que os profissionais das áreas de segurança e saúde do trabalho saibam que o equipamento de proteção individual (EPI) só poderá ser comercializado, seja ele de origem nacional ou importado, se o mesmo dispor do Certificado de Aprovação (CA) emitido pelo órgão que é competente no que tange a segurança e saúde do trabalho do Ministério do Trabalho e Emprego.


Este selo, quando presente no EPI, demonstra que o produto foi aprovado e submetido a diferentes testes (rigorosos por sinal) no que se referem a aspectos como resistência e qualidade. Dessa forma, o usuário do equipamento poderá utilizá-lo sabendo que o mesmo se encontra em ótima condição e deve ser usado com tranquilidade.


As empresas e o uso do EPI


O colaborador deve estar ciente de que é responsabilidade da empresa o fornecimento dos equipamentos de proteção individual, a partir das atividades para as quais foi contratado a cumprir. Porém, não são todos que sabem como utilizar todos os itens corretamente, dessa forma, a organização deve ainda garantir o treinamento do corpo de funcionários que for utilizar determinado equipamento visando garantir o máximo de eficiência e eficácia do item.


Além disso, nesse contexto é muito importante ainda destacar que o colaborador que é usuário de um determinado equipamento deve estar atento a sua deterioração e perda de funcionalidades, pois isso pode trazer prejuízos muito altos envolvendo, inclusive, acidentes graves. Para tanto, quando uma situação como essa for percebida, busque a sua manutenção em casos onde é possível, caso contrário, substitua o EPI por um novo.


EPC x EPI


Os equipamentos de proteção coletiva (EPC) visam proporcionar a preservação da saúde e integridade dos colaboradores de uma maneira geral. Para ficar mais fácil de visualizar, pense naquelas faixas de isolamento (com tiras pretas e amarelas), placas de sinalização, piso antiderrapante, sistemas de purificação do ar, entre outras possibilidades.


O uso do EPC pode contribuir com uma redução dos acidentes de trabalho, trazer melhorias nas condições de trabalho e muitas outras vantagens. Como é possível identificar, a principal diferença entre os dois tipos de equipamentos, EPC e EPI, se dá pelo número de indivíduos envolvidos na utilização e/ou acesso a itens de segurança, ou seja, um está voltado para o bem-estar coletivo, enquanto que o outro é destinado para o indivíduo que vai desempenhar atividades de risco, sozinho.


Segurança do trabalho e o EPI


A segurança do trabalho dentro de uma empresa tem o objetivo de identificar, avaliar e controlar as situações de risco as quais os trabalhadores podem estar ou serem expostos em diferentes atividades.


A partir desse mapeamento, a equipe vai elaborar uma série de normas e procedimentos a serem seguidos, visando reduzir o número de acidentes de trabalho. E entre tais exigências está a aplicação do uso de EPCs e EPIs, além da correção ou ajuste de métodos que não estiverem funcionando, por exemplo.


Não se esqueça de usar EPI


É essencial ter a compreensão de que mais do que seguir as normas estabelecidas pela sua empresa, bem como por órgãos reguladores, garantir a utilização correta desses itens é necessária para garantir a sua saúde e integridade física! Esteja atento e não deixe de usar um EPI em situações de risco onde a sua utilização é mais do que necessária.


A Apitos Rocket, referência na fabricação e comercialização de apitos de qualidade, pode te ajudar na hora de compor os equipamentos de segurança para sua equipe. Oferecendo os melhores apitos, procuramos sempre ajudar os nossos clientes encontrando a melhor opção para cada necessidade. Entre em contato conosco para solicitar um orçamento e aproveite para conhecer todos os produtos com a qualidade Rocket!